Este é o meu refúgio, o meu abrigo. Aqui espelho o meu eu, sob a forma dos meus pensamentos feitos palavras...
Domingo, 31 de Dezembro de 2006
Feliz Ano Novo!

2007.jpg


Possa o Novo Ano ser sinónimo de muita Saúde e Paz para todos vós na companhia de quem mais amam e vos estima.


Um brinde à Vida!


Rosália :*)



publicado por scorpiowoman às 00:14
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 20 de Dezembro de 2006
Enquanto o Pai Natal não chega...

sleepy kitten.gif


Aquecemos os nossos corações com memórias ternas e damos valor ao que realmente conta.


Enroscamo-nos na certeza de que a Amizade não tem tempo nem fronteiras.


Sonhamos com momentos felizes.


Boas Festas!



publicado por scorpiowoman às 22:50
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2006
Uma luz...

estrela_de_natal.gif


A Estrela


 


Eu caminhei na noite


Entre silêncio e frio


Só uma estrela secreta me guiava


Grandes perigos na noite me apareceram


Da minha estrela julguei que eu a julgara


Verdadeira sendo ela só reflexo


De uma cidade a néon enfeitada


A minha solidão me pareceu coroa
Sinal de perfeição em minha fronte


Mas vi quando no vento me humilhava


Que a coroa que eu levava era de um ferro


Tão pesado que toda me dobrava


Do frio das montanhas eu pensei:


«Minha pureza me cerca e me rodeia»


Porém meu pensamento apodreceu


E a pureza das coisas cintilava


E eu vi que a limpidez não era eu


E a fraqueza da carne e a miragem do espírito


Em monstruosa voz se transformaram


Disse às pedras dos montes que falassem


Mas elas como pedras se calaram


Sozinha me vi delirante e perdida


E uma estrela serena me espantava


E eu caminhei na noite minha sombra


De desmedidos gestos me cercava


Silêncio e medo


Nos confins desolados caminhavam


Então eu vi chegar ao meu encontro


Aqueles que uma estrela iluminava


E assim eles disseram: «Vem connosco


Se também vens seguindo aquela estrela»


Então soube que a estrela que eu seguia


Era real e não imaginada


 


Grandes noites redondas nos cercaram


Grandes brumas miragens nos mostraram


Grandes silêncios de ecos vagabundos


Em direcções distantes nos chamaram


E a sombra dos três homens sobre a terra


Ao lado dos meus passos caminhava


E eu espantada vi que aquela estrela


Para a cidade dos homens nos guiava


 


E a estrela do céu parou em cima


De uma rua sem cor e sem beleza


Onde a luz tinha a cor que tem a cinza


Longe do verde azul da natureza


 


Ali não vi as coisas que eu amava


Nem o brilho do sol nem o da água


Ao lado do hospital e da prisão


Entre o agiota e o templo profanado


Onde a rua é mais triste e mais sozinha


E onde tudo parece abandonado


Um lugar pela estrela foi marcado


 


Nesse lugar pensei: «Quanto deserto


Atravessei para encontrar aquilo


Que morava entre os homens e tão perto»


 


Sophia de Mello Breyner Andresen


In Cem Poemas de Sophia,


Ed. Revista Visão – JL, 2004


 



publicado por scorpiowoman às 23:20
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2006
Cheirinho a Natal...

gato_cachorro_natal.gif


Por estes dias, sente-se já no ar o aroma inconfundível de uma época única. Todos os anos vivemos a quadra natalícia, desejando Saúde, Paz e Amor a todos quantos nos são queridos e a nós mesmos.


Ainda assim, questiono-vos: Será que vivemos sempre o Natal com o mesmo Espírito, o mesmo sentimento?


Eu explico: Cada vez menos me sinto ligada ao Natal consumista que invade a nossa vida. Em Outubro já se vendia Bolo-rei e já se viam enfeites típicos espalhados pelos mais diversos espaços comerciais. Acreditem ou não, é algo que me faz uma enorme confusão. Claro que compreendo que não se podem deixar os preparativos para os últimos momentos, mas... Outubro? Não cabe no meu pensamento.


Este ano, por motivos diversos, mas também por sentir que queria fugir ao imediatismo/facilitismo comercial, optei por algo diferente: Fazer eu mesma as prendas para quem realmente conta na minha vida, dar um bocadinho de mim a quem faz parte de mim também. Não importa se é muito, pouco, grande, pequeno ou assim-assim, apenas que é sentido e sincero.


Ainda assim, também fiz (e farei ainda algumas compras), a maior parte das quais diz respeito a este desafio, que todos nós deveríamos acatar, mais não seja pelo fomentar junto das novas gerações desse dom inigualável que é o gosto pela leitura.


Eu já fiz a minha parte. E vocês?


 



publicado por scorpiowoman às 23:15
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quinta-feira, 7 de Dezembro de 2006
Sem ti...

OLHAR.gif


Uma maior solidão
Lentamente se aproxima
Do meu triste coração.


Enevoa-se-me o ser
Como um olhar a cegar,
A cegar, a escurecer.


Jazo-me sem nexo, ou fim...
Tanto nada quis de nada,
Que hoje nada o quer de mim.


Fernando Pessoa, 23-10-1931


 



publicado por scorpiowoman às 22:04
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 5 de Dezembro de 2006
Desilusão

desiludida.jpg


Quando o mundo parece desabar sobre mim e tudo aquilo que acreditava ser verdade não foi mais do que uma quimera vivida a uma só luz.


Quando nada mais faz sentido e me questiono se vale a pena insistir, persistir e continuar, lutando no vazio abstracto do desconhecimento quase absoluto de ti.


Quando deixo de acreditar nos gestos, nas palavras, no ser.


Quando nada mais há do que as lágrimas que havia jurado não voltar a derramar.


Rosália, 5 de Dezembro de 2006



publicado por scorpiowoman às 10:24
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Segunda-feira, 4 de Dezembro de 2006
À espera...

sonhar.jpg


Até quando a tristeza impera é preciso sonhar, é preciso acreditar.


Depois das lágrimas de chuva, o beijo quente do sol num dia frio.


Após a solidão de mim, a companhia doce da memória de ti.


Um pensamento fugidio que se aquieta e permanece.


Hesito.


Acredito.


Em mim.


Em ti.


No que ainda desconhecemos mas há muito sentimos.


Sonho.


Desejo.


Espero enfim.


E escuto...


Chave dos sonhos


 


Luz sai da frincha, é manhã
Sei que o dia já desarvora
Chave dos sonhos na mão
Olho-te e vais embora

Sais pela rua veloz
Sinto a brisa do teu corpo perto
Chave dos sonhos guardei
No quarto já deserto

Passei a noite em claro
Passei p'la noite em ti
E abri com a chave dos sonhos
A porta e a varanda que em sonhos abri

São mais confusas agora
As imagens que em ti eu tocava
Eram do sonho ou de olhar
O que o prazer mostrava?

Chave dos sonhos na mão
Entrarei em qualquer fechadura
P'ra lá da porta, o melhor
É sempre da aventura

Guardo com a chave dos sonhos
Segredos que o corpo merece
Se alguém não quis arriscar
Então que o não tivesse

Ontem arriscaste mais
Do que uma simples coisa exigia
Deste-me a chave dos sonhos
O caos e a harmonia


 


- Luís Represas -


 


Rosália, 4 de Dezembro de 2006



publicado por scorpiowoman às 23:19
link do post | comentar | favorito
|

Pensamentos perdidos, ecos de solidão

solidao.bmp


(imagem daqui)



É assim nua e prostrada que adormeço e acordo dia após dia.


É assim escondida entre o céu e a terra que teimo em viver e respirar, indagando até quando durará esta dor surda que trago dentro de mim, escondendo-me na cegueira que tão cedo aprendi a usar, aquela que me oculta o que está lá, que dói e sempre doeu, que existe e permanece e me recuso a ver, por não querer acreditar ou, se calhar, apenas sentir, por não querer mais dores nem mágoas, recusar verter mais lágrimas, que ainda assim correm livremente pelas minhas faces, como um veloz rio o faz entre as margens sinuosas que acolhem o seu leito.


É assim que grito no silêncio, expludo no vazio e choro no abstracto de mim.


Inevitavelmente, a responsabilidade e a obrigação superam a desmotivação e o medo (sim, é verdade, às vezes tenho medo de viver, ainda que consciente de que a vida e cada seu dia são uma dádiva, que deve ser aproveitada até ao mais ínfimo segundo. Serei a única?).


Enveredo numa batalha quotidiana que é o aprender a saber viver só, a estar só, a sentir-me só. Guerreio contra mim mesma para continuar, nunca parar nem me deixar vencer pelo desânimo e pela frustração que teimam em persistir, em fazer-se anunciar nas alturas mais críticas e que, se calhar, deviam ser as melhores de mais uma época festivamente marcada no calendário.


Seria mais politicamente correcto ocultar o que sinto ou, ao fazê-lo assim, pública e despudoradamente, apenas espelho a verdade quando me deixo levar pela escrita impetuosa, alimentada pelo som da melodia ditada por um qualquer violino mais impertinente?


Vibro no ritmo e pergunto-me por que não na vida.


Vivo na escrita e questiono-me por que não fora destas quatro paredes, onde tudo sempre me parece tão frio e impessoal, tão semelhante ao vazio que preenche os meus dias ao saber que tu não vais estar ao meu lado.


Indago-me até que ponto me conhecerás e como conviverás com momentos como este, em que o Mundo parece desabar sobre mim e me sinto sem forças para continuar e insistir uma vez mais.


Questiono-me: Serás capaz?


Tenho medo e, ainda assim, sinto todas as minhas teimosia e persistência obstinada à flor da pele, prontas para entrarem em acção e me fazerem lutar por aquilo que acredito serem as minhas ambições.


Sinto desalento e, no entanto, encontro ânimo, nem que seja nas mais pequenas, ínfimas ou até insignificantes coisas: um telefonema, uma mensagem, uma carta. Também as há de maior importância, aquelas que quase não se conseguem descrever, por não existirem palavras que comportem todo o seu significado: um olhar, um toque, uma festa, um abraço, um carinho, um beijo.


Esta sou eu. Estes são os meus pensamentos que se perdem por entre o eco da solidão que me rodeia.


Este é, sei-o, um dia mau. Amanhã será certamente melhor e, depois de amanhã, outro dia virá.


É assim que me desnudo e me exponho ao Mundo, senão todos os dias, pelo menos hoje, aqui e agora.


 


Rosália, 3 de Dezembro de 2006



publicado por scorpiowoman às 17:35
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 1 de Dezembro de 2006
Ser, estar... viver

aespera.jpg




É nesta dúvida da incerteza premente que mais dói a ausência de ti.


É nos segundos incontáveis dos minutos infinitos das horas eternas que a distância se sente.


É saber-te aqui tão perto e, no entanto, tão longe.


É viver no quotidiano o alcance inalcançável de ti, do teu ser que é muito mais para mim do que alguma vez quis ou desejei ou sequer sonhei.


É viver e saber que talvez o final de tudo isto não seja assim tão feliz, mas que o que mora dentro de mim não morrerá nunca e é uma das poucas mas grandes alegrias que, neste calendário da vida, tão cinzento e áspero, inesperadamente encheu de cor e doçura o meu âmago.


É esperar, pois “quem espera, sempre alcança”.


É ser, estar, sonhar, desejar, pensar, amar.


É viver e morrer.


É difícil e, por vezes, tão fácil.


Apenas é.


Tudo e nada.


Muito e ainda assim pouco.


És…


 


 



publicado por scorpiowoman às 00:24
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

Há 43 anos

Oito anos depois

Incertezas

Até sempre, Minha Maria

Inesquecível

Hoje

Não mata, mas mói...

Aos meus Pais

Um novo Natal, o mesmo se...

Um ano depois...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds