Este é o meu refúgio, o meu abrigo. Aqui espelho o meu eu, sob a forma dos meus pensamentos feitos palavras...
Quarta-feira, 11 de Abril de 2007
O que nunca te direi

chuvadeabril.jpg


À semelhança do que se passa além daquela janela, através da qual estendo o meu olhar e tento distrair o espírito no estreito horizonte que se me apresenta, também eu me sinto indecisa entre sol e chuva, sorrir ou chorar, cantar ou calar.


Ainda há pouco, quando caiu um aguaceiro torrencial, a imagem do céu cinzento e da chuva a bater fortemente contra os vidros do edifício em tudo foi semelhante às lágrimas que todos os dias derramo (ainda que muitas vezes sem as mostrar ou sequer libertar) com a intensidade das saudades que sinto de poder estar junto a ti, tocar-te e abraçar-te muito, durante todo o tempo que me (nos) apetecesse.


Embora te sinta mais perto, questiono se será apenas a minha vontade de ti que me ilude e me faz aproximar ou se, de facto, é essa a realidade.


Podes não acreditar, mas temo o nosso reencontro, aquele que nunca mais tem lugar. Temo o lugar, o momento, as circunstâncias... Temo a tua reacção e ainda mais a minha, pois sei que será de extremos, entre correr para os teus braços, abraçar-te e não te largar ou simplesmente ficar parada, estática, sem conseguir falar ou mexer-me, sem saber o que fazer.


Essa é a maior realidade de todas. Não saber o que fazer.


Dizem que tudo vale a pena, mas eu, sinceramente, não sei se assim é. Já tentei esquecer-te, apagar-te da minha memória, mas isso apenas serviu para me fazer sentir ainda mais (como se tal fosse possível) a tua falta.


Agora, convivo diariamente (como sempre o fiz) com a tua lembrança, o sabor dos teus abraços na minha pele, o som da tua voz na minha mente, o calor do teu toque no meu corpo, a visão do teu olhar sereno e tranquilo, ávido de curiosidade por mim (nós?) a cada instante, as palavras que trocámos e ainda mais as que calámos, pelo receio mais puro e genuíno de pronunciarmos algo de que nos pudéssemos mais tarde arrepender, ainda que sabendo que era (é?) o que ambos pensávamos e sentíamos.


Sei que nunca pronunciarei estas palavras, que nunca as ouvirás ou sequer lerás.


“Nunca digas nunca”, diziam-me.


Será?


 


Rosália, 11/04/2007


 



publicado por scorpiowoman às 23:43
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De rainbowsky a 19 de Abril de 2007 às 15:21
As palavras que escreveste, não sei a quem se dirigiam, mas deve ser uma pessoa que não sabe a sorte que tem, e não lê aquilo que escreves. É de uma simplicidade comovente e arrebatadora. Escreves apenas, é um belo título para este blog... escreves apenas, mas escreves com alma e isso é que faz deste lugar um local onde me sinto bem a viajar... e viajar... e viajar... :). beijinhos do arco-íris**


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

Há 43 anos

Oito anos depois

Incertezas

Até sempre, Minha Maria

Inesquecível

Hoje

Não mata, mas mói...

Aos meus Pais

Um novo Natal, o mesmo se...

Um ano depois...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds