Este é o meu refúgio, o meu abrigo. Aqui espelho o meu eu, sob a forma dos meus pensamentos feitos palavras...
Domingo, 18 de Março de 2007
A voz do meu silêncio

avisse_silent_waves.jpg  


Sob um céu límpido e brilhante, sinto na minha pele a dança inebriante da brisa, que teima em brincar com os traços do ténue calor que desperta em mim, como se o próprio Sol, imponente e austero, me embalasse gentil e suavemente.


Por instantes, vejo-me obrigada a regressar à realidade. Olho o ecrã que se iluminou e escuto a melodia que toca e se perde por entre os ruídos do resto do mundo, que continua a sua marcha imparável fora de mim, enquanto no meu interior tudo pára, ao encontrar o teu nome na formação das letras que insiste em fazer-te chegar até mim.


Esqueço o azul, o calor, a brisa. Toda eu me transformo então e assumo a postura daquela que não sou. Torno-me fria, implacável. Amordaço todo o meu ser e todos os sentimentos, escondendo-os sob um manto impenetrável de indiferença credível, com o qual habilmente mascaro a minha voz. Em breves momentos, ouço-te e, ainda que sinta as feridas da saudade a surgir, escondo-as. Recolho-me em mim, como se à concha tornasse. Fim.


A máscara cai. Os olhos, escondidos sob as lentes que deveriam traçar melhor a realidade que me é exterior, que ainda há pouco assumiam uma expressão concentrada e centrada na não revelação do que realmente vive em mim, estão agora húmidos e apenas a habilidade da ilusão faz com que as lágrimas não corram soltas e finalmente libertas da sua prisão que sou eu. Retenho-as uma vez mais e prossigo como se nada fosse.


Iludo-me para não pensar em ti, procuro não lembrar a tua presença, o teu eu, o teu olhar, o teu toque. Silencio-te no calor da tua voz que não quero ouvir para não chorar mais.


Porém, é como se o azul do céu desmaiasse um pouco, a brisa se tornasse subitamente num vento frio que me incomoda e o Sol já não me embalasse, antes se escondesse, fazendo-me correr para o tentar alcançar.


Refugio-me dentro de mim e imagino-me exposta à força dos elementos, na beira de um qualquer areal, onde pudesse recolher-me a uma concha e perder-me ao sabor da maré, escutando as ondas tão perto e tão longe, deixando-me levar pelo grito silencioso da falta que sinto de ti.


Olho o horizonte.


Escutar-te-ei? Não sei.


Olhar-te-ei? Não sei.


Sentir-te-ei? Não sei.


A voz do meu silêncio é mais ruidosa do que tudo o resto.


A voz do meu silêncio são estas palavras.


A voz do meu silêncio és (tantas vezes) tu.


 


Rosália, 18/03/2007


 



publicado por scorpiowoman às 20:47
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De rainbowsky a 18 de Março de 2007 às 22:11
olá de novo. Claro que me podes linkar. Será uma grande satisfação. beijinhos com todas as cores do arco-íris*******


De rainbowsky a 18 de Março de 2007 às 20:57
olá rosália, descobri este teu pequeno mundo por mero acaso, mas foi com alegria que isso aconteceu. Viajei pelo teu silêncio e senti a brisa soprar da tua alma para os meus olhos ao ler-te. Tenho pena que palavras como as tuas sejam "esquecidas" ou desconhecidas neste mundo. Eu de certeza vou adicinar o teu blog aos meus favoritos, porque o que me atrai não é o visual que a página apresenta, mas as palavras nele contidas! beijinhos do arco-íris*


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

Há 43 anos

Oito anos depois

Incertezas

Até sempre, Minha Maria

Inesquecível

Hoje

Não mata, mas mói...

Aos meus Pais

Um novo Natal, o mesmo se...

Um ano depois...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds