Este é o meu refúgio, o meu abrigo. Aqui espelho o meu eu, sob a forma dos meus pensamentos feitos palavras...
Sábado, 22 de Abril de 2006
Para ti...

No nada que a minha alma encerra surgiste.


Trouxeste a tua amizade, sob forma de luz, paz e carinho. Dela nasceu o Amor.


Aos poucos, lentamente, conquistaste a confiança que outrora alguém quebrara.


Devagar, carinhosamente, reconstruíste a acarinhaste o coração que outro despedaçara.


Não foi fácil. Ninguém disse que o seria. Por vezes, muitas, demasiadas, não é fácil.


Resististe.Fizeste-nos crescer, evoluir, continuar.


Quebrámos barreiras. Ultrapassámos obstáculos. Enfrentamos ainda hoje os que de novo teimam em surgir.


Nos piores momentos foi quando a tua presença mais se fez sentir.


Nas maiores desilusões, também.


A tua capacidade de perdoar parece infinita, mesmo quando te abandono em prol do que parece urgir mais do que nós.


Engano-me tantas vezes. E caio. Vou ao "fundo do poço" como é hábito dizer-se. "Como errei", penso.


No entanto, estás ali. Nada teve importância. "Temos tempo", dizes.


Teremos? Não será tudo isto que vivemos apenas uma mão-cheia de nada, um segundo, um grão de areia ínfimo e insignificante?


"Chiuuuu... Sossega. Não penses mais nisso. Pensar faz mal, lembras-te?"


As lágrimas correm, soltas, livres, fluindo furiosas ao longo do meu rosto, numa libertação há muito ansiada e tão pouco permitida.


Abraças-me. Acalmas-me. Suavemente, sussuras-me o que entendes de tudo isto, não evitando chamar-me à atenção porque tal também é preciso.


Soluço. Apesar de tudo, o sentimento que, durante muito tempo (demais até), abdiquei demais de nós oprime-me. Enraivece-me.


Sorris. "Temos tempo."


Como, se o relógio não pára? Se o que passou já não posso emendar? Sei que, se por volta do destino ficar sem ti, nunca me irei perdoar!


"Não penses mais nisso. Já passou. Ficou para trás. Tempo tempo", afirmas, proferindo estas palavras envoltas num abraço apertado, sentido, quase infinito.


Olho-te. Pela primeira vez em algum tempo, paro para o fazer.


No fundo dos teus olhos castanhos e quase translúcidos, descubro a resposta para a dor e a mágoa que me queimam o peito.


Posso ter errado nas escolhas que fiz. Não me arrependo, apenas deveria ter sido um pouco mais lúcida e fiel a mim mesma, não ter abdicado tanto daquilo que mais prezo na vida, mas fi-lo. Agora há que retomar o caminho e aprender que apenas o nosso coração nos pode dizer o que está certo ou errado, ainda que tal possa não ser interpretado da melhor maneira por quem nos rodeia.


Olho-te. Estás aqui. Ainda. Até quando? Não sei. Já não interessa. Não vou mais temer o dia em que tu ou eu nos cansemos de tudo isto, antes viver e aproveitar o pouco tempo que temos para nós. Na verdade, é isso que mais importa e me faz feliz.


O Amor é, no fundo, o segredo que comanda a vida.


Rosália.



publicado por scorpiowoman às 13:04
link do post | comentar | favorito
|

5 comentários:
De aflores a 29 de Abril de 2006 às 10:11
E por aqui passei para desejar um excelente fim de semana com muito sol. Espero eu;)


De pankas a 28 de Abril de 2006 às 22:01
Vivam o presente, ele não volta!


De angelis a 26 de Abril de 2006 às 18:26
Passei para deixar uma brisa fresca de Amizade e Carinho :) Força, coragem, pois com o AMOR e a sua força tudo conseguirás. Beijinhos :)


De aflores a 23 de Abril de 2006 às 00:34
O amor é tudo isto, outro tanto e não só. Depois da tempestade...Beijinhos (e abraços) do amigo do Norte.


De paulo povoa a 22 de Abril de 2006 às 13:57
O tempo não acaba, cada momento pode ser longo como pode ser curto, tudo depende da maneira como o usamos e como o passamos.
O meu perdão sim é infinito, é infinito porque te amo, não digo que não fico magoado, que não fico triste com algumas coisas, mas sempre perdoo tudo pelo nosso amor.
Se um dia me vou fartar, não sei dizer, pode acontecer como pode não acontecer, mas tento sempre viver o máximo que posso contigo, porque se um dia terminar sei que sempre terei o melhor de ti em mim e que de ti nunca me vou esquecer.
Agora não acaba, continuo contigo mesmo com todas as dificuldades, se precisarmos de ajuda pede-se, se não quisermos ajuda havemos de nos arranjar.
Eu amo-te minha princesa, minha bomboquinha, minha doçurinha eterna.
Se acabarmos ficaremos amigos, se não acabarmos continuaremos amantes, mas de todas as formas nunca te vou abandonar porque sempre estarei presente na tua vida.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

Há 43 anos

Oito anos depois

Incertezas

Até sempre, Minha Maria

Inesquecível

Hoje

Não mata, mas mói...

Aos meus Pais

Um novo Natal, o mesmo se...

Um ano depois...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds