Este é o meu refúgio, o meu abrigo. Aqui espelho o meu eu, sob a forma dos meus pensamentos feitos palavras...
Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2006
Doce lugar...

docinhos_bons.jpg


Desperto e enrosco-me no teu abraço suave, quente e doce. Sinto o peso dos corpos fofos e peludos dos nossos bichanos em cima das minhas ancas, dos pés, o calorzinho do que se encosta nos meus rins e do que se aninha juntinho à minha barriga e ainda a suspensão graciosa e nada prática do gorducho-mor, que teima em dormir no meio dos donos.


Depois de um "bom-dia" ainda muito ensonado, quase dito para dentro, levanto-me enquanto o Apache vai contigo dar o seu passeio matinal, por entre pulos e corridas de alegria ao longo do corredor. "Quem me dera ter um bocadinho daquela energia toda!", penso, enquanto me dirijo para o banho.


Algum tempo depois, já vestida e agasalhada para enfrentar o vento frio que se faz sentir (mas sem chuva...), estômago aconchegado com um pequeno-almoço tomado por entre alguma calma, dirijo-me para a porta, a fim de levar-te ao trabalho. Abro a porta da varanda e o Apache sai logo lá para fora, o que me dá tempo de fechar a porta da sala antes que ele dê conta da minha ausência. Custa, mas tem de ser...


Brinco contigo por não ir trabalhar. Hoje e amanhã faço "gazeta", por conta do exame na faculdade, mas não quero cair no facilitismo de ficar no bem-bom quentinho do vale dos lençóis. Além disso, há assuntos que carecem de alguma urgência em ser tratados e, como tal, há que aproveitar bem o tempo.


Ao som do noticiário das 09h00, estaciono o carro ali mesmo ao lado do Jardim da Correnteza. Por incrível que pareça, não apanhei trânsito. Alimento o sempre guloso parquímetro, que me autoriza a por ali permanecer até perto das 11h00. Menos mal, tenho muito tempo para tratar do que preciso. Primeiro para um lado, aquele que fica mais perto. Depois, a dúvida: A distância ainda é grande até ao centro da Vila. Vou a pé? Levo o carro e pago outro lugar de estacionamento?


Escusado será dizer que a necessidade de exercício físico aliada à falta de moedas rapidamente solucionaram esta questão. Num ritmo certo e constante, dirijo-me ao meu destino. Durante o percurso, olho ao meu redor, contemplando aquela que será sempre a eleita do meu coração: Sintra, o meu refúgio, abrigo, paraíso... Tudo aquilo que mais amo ali tão presente em cada cor, folha, ave, movimento...


Do meu lado direito pousa e rapidamente levanta voo um pintassilgo com o peito escarlate luzidio. Em frente, a Volta do Duche surge esplendorosa com o ar fresco da manhã, que me gela e aquece em simultâneo. Observação curiosa, esta, que me faz sentir viva a cada novo passo. Não se vê quase ninguém nas ruas. Ocasionalmente, cruzo-me com um ou outro habitante, funcionário da câmara ou estudantes. Até ao Palácio não mais do que dois ou três turistas. Um deserto de gente. Um sonho para mim.


Confesso... Sou egoísta. Gosto de caminhar assim, por entre o relativo silêncio matinal, e sentir que aquela que ali se ergue a meus pés é toda minha: Tenho toda a beleza de Sintra só para mim! Nem assim consigo contemplar a imensidão e extensão da mesma...


Depois de tudo tratado, resta-me fazer o caminho inverso, não sem antes parar sensivelmente a meio e adquirir um belo pacote de queijadinhas, doces e estaladiças para estragar (mas só ao almoço!) o efeito desta enérgica e revigorante caminhada. Bem... qual almoço! Não resisto...


"Um café cheio e uma queijadinha, se faz favor!" Paciência! Faço dieta amanhã... Ah, que bem que sabe. Quem inventou estes docinhos fê-lo muito acertadamente :))).


Está na hora de regressar a casa... Bem, estava capaz de ir buscar o Apache e passar a manhã por aqui com ele, mas não pode ser. Tenho de estudar (estou sem vontade. Não me apetece, não me apetece, não me apetece! Pronto!) e fazer o almocinho, que hoje temos lá uma resmungona a fazer-nos companhia.


Fica a promessa de fazer isso mesmo: Vir de manhãzinha para aqui, apanhar o fresquinho, na companhia do canito (e na tua, quem sabe?) e encher-me de sons, cores e vida...


Até lá,  é no refúgio dessa imagem que me concentro para encontrar forças e enfrentar o caminho que agora tenho de trilhar.


Boa semana!


Rosália :*)



publicado por scorpiowoman às 16:04
link do post | comentar | favorito
|

5 comentários:
De pankas a 23 de Fevereiro de 2006 às 17:02
Vejo que te encontras bem, a tua paz de espírtio acalma-me, como bons amigos que somos sinto estar feliz ao presenciar a tua felicidade. Espero que esta perdure e que um dia presencies também a minha. Jokinhas deste teu amigo que te quer bem.


De resmungona a 23 de Fevereiro de 2006 às 03:35
Por acaso as queijadinhas estavam deliciosas e vieram mesmo a calhar. Obrigada pelo que tens feito, mas que também te leva até estas deliciosos refúgios como só Sintra sabe ser. O texto está bem mais delicioso do que a imagem. Agora já sabes onde procurar inspiração, ou libertação, para a tua escrita.
Mil e .............. beijos de quem realmente te adora!!!


De Blueyes41 a 22 de Fevereiro de 2006 às 22:54
Como agora impera a dieta rigorosa para estes meus lados, as queijadinhas não fizeram grande "inveja" (mentira mas pronto). Cá para nós, que ninguém nos ouve, adorava um dia ir passear contigo e mostrares-me a tua Sintra e as duas petiscarmos esse s docinhos (sem ninguém a ver, claro) e depois rirmos um bom bocado. Era boa ideia, pois era... Beijinhos


De aflores a 22 de Fevereiro de 2006 às 19:27
Venho eu aqui repousar o meu olhar e deliciar-me com a tua escrita, quando deparo com uma imagem deliciosa!!!!! Buáááááá´.....assim não vale. Também quero!!!


De paulo povoa a 22 de Fevereiro de 2006 às 16:14
Meu amor
É uma maravilha passear contigo e com o canito também, ele só não pode entrar nos cafés senão é adeus queijadinhas :)
Amo-te meu doce


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

Há 43 anos

Oito anos depois

Incertezas

Até sempre, Minha Maria

Inesquecível

Hoje

Não mata, mas mói...

Aos meus Pais

Um novo Natal, o mesmo se...

Um ano depois...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds