Este é o meu refúgio, o meu abrigo. Aqui espelho o meu eu, sob a forma dos meus pensamentos feitos palavras...
Sexta-feira, 3 de Fevereiro de 2006
Hoje chorei...

pic05662.jpg


(O AFlores é uma amigão... Dá cá mais cinco!)


Ao contrário deste lindo cachorrinho, super bem-disposto e tão bem tratado, hoje chorei, chorei mesmo muito, ao deixar para trás um menino que encontrei abandonado e, por razões várias, não pude trazer para casa. Fui entregá-lo na APCA (no canil, nunca) e deixei lá um pedaço do meu coração...


Encontrei-o enquanto procurava por outro, o Meco, que se perdeu no dia 19 de Janeiro, na Estefânea, em Sintra, e tem sido visto aqui por estes lados. Quando me dirigia ao carro, depois de ter recebido indicações de onde o menino que procurava tinha sido avistado pela última vez, apareceu um autêntico príncipe, lindo de morrer (quem sabe arraçado de pastor alemão), ainda cachorro, no cimo da avenida que subia. Dirigiu-se de imediato até mim, enroscou-se nas minhas pernas e pediu mimos. Fiz-lhe muitas festinhas e, em troca, recebi imensas festas e lambidelas...


Sem muitas dificuldades, agarrei-lhe na coleira e ele seguiu-me... Perdido ou abandonado, ainda tem uma coleira preta (com chapinha de metal aplicada) e o trinco da trela preso na mesma. Abri a porta do carro e ele prontamente subiu para o banco de trás (onde já tinha colocado umas mantas) e aninhou-se. A caminho da associação, liguei a avisar que tinha encontrado o canito... Disseram-me que não era o Meco, mas sim outro que também já havia sido avistado e dado como perdido/abandonado.


Não consigo encontrar palavras para descrever a gratidão, o carinho e a meiguice daquele animal. Muito menos para expressar como fiquei quando tive de entregá-lo... Este lindinho, sempre que eu saía do carro (primeiro para lhe levar um miminho para ele roer, depois para ir avisar na associação que já tinha chegado), passou imediatamente para o banco da frente e deitou-se enroscadinho no lugar do condutor (neste caso, eu). Quando a funcionária, a D. Luzia, (muito atenciosa e simpática - assim que compreendeu que eu não podia mesmo ficar com o cão e que o estava a entregar de coração nas mãos, ainda mais simpática foi), o tentou tirar, ele encostou-se todo ao banco, fincou as patas e só me deixou aproximar a mim...


Fui falando com ele, convenci-o a sair e fui-o guiando para o portão... E ele sempre a olhar para mim... Quando me aproximei mais da entrada, começou a tentar desenfiar a coleira e voltar para o carro. Não deixei. Chorava o meu coração e chorava eu...


Entreguei-o apenas e só na certeza de que, esta noite, o Príncipe (pronto, eu sei, não lhe devia dar nome... mas foi o que me surgiu) vai ter uma caminha para dormir, comidinha sem ser regateada e um tecto para o abrigar deste temporal de frio e chuva que teima em persistir.


A D. Luzia, ao ver-me com as lágrimas a correrem livremente, disse-me que posso aparecer sempre que quiser para o visitar, passear... Não sei, mas acho que vou tentar. Acreditem ou não, estas marotas cristalinas continuam a molhar-me a cara enquanto escrevo...


Eu entreguei um cão que não era meu numa associação que os acolhe e protege e fiquei assim, tão triste e atordoada que uma amiga minha me disse que eu devia era afastar-me destas situações, porque não me fazem bem nem ajudam em nada. Talvez... Mas vou ficar de braços cruzados e ignorar?


Choro, custa-me, atormenta-me e aquele bichinho só hoje cruzou o meu caminho, pedindo festas, mimo e carinho. Não chegou a ser uma manhã inteira, quanto mais um dia... Meu bom Deus, como é possível que haja gente que os abandona e deixa à sua (por vezes muito pouca) sorte sem olhar para trás? Como é possível?


Sei que haverá situações piores... Mas esta tocou-me. Muito. Profundamente.


Hoje chorei... e não terá sido última vez.


Rosália :*)



publicado por scorpiowoman às 16:09
link do post | comentar | favorito
|

5 comentários:
De lino vitor a 22 de Fevereiro de 2007 às 09:41
Chorar faz bem á alma que alivia os sentimentos negativos que por outra que sentimos aliviados que tiramos um peso dentro de nós.
por vezes temos ser fortes e evolir os sentimentos que ás vezes nós escondemos porcausa de outras para não ver uma pessoa a chorar.
desejo as maiores felicidade e que a vida te corra pelo lado possitivo com as boas ernegias para enfentar esta sintuação e outras que ainda ao de vir . adeus deste amigo LINO VITOR


De resmungona a 8 de Fevereiro de 2006 às 01:33
O teu marido tem toda a razão. Tu és mesmo uma chorona, no bom sentido.


De Blueyes41 a 7 de Fevereiro de 2006 às 23:01
Tens um desafio à tua espera no meu blog. Espero que respondas. :)


De aflores a 5 de Fevereiro de 2006 às 14:42
Eu já tinha lido este post mas só hoje consegui parar e comentar. Infelizmente, o abandono de animais é uma coisa triste e horrível, mas, acredita que nem sempre fico tão emocionado mas sim revoltado. Lido de perto com o abandono de crianças...lido de perto com o abandono de pessoas de idade...(bem reais e em elevado número no nosso País). Quanto ao abandono de animais, infelizmente, é mais um. Estou a ser frio? Talvez...mas acredita que é mais revolta. É este o País que temos, País que dá tempo de antena, crédito e notícia a dois lésbicas que querem casar e, por outro lado, tem uma lei de adopção de crianças ultrapassada e ridícula. Continuo a ser da opinião que deveria haver um registo de todas as pessoas proprietárias de animais de estimação e responsabilizadas pelos seus actos. Difícil? Olha que não...olha que não. Beijinhos e desculpa o "testamento". Bom domingo


De paulo povoa a 3 de Fevereiro de 2006 às 16:20
choras-te e vais sempre chorar porque tens um coração de manteiga para os animais.
basta enroscarem-se e já está, ficas logo com coração de manteiga.
eu sei que vais sempre ser assim e por isso cá estou do teu lado.
beijos doces e fofinhos


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

Há 43 anos

Oito anos depois

Incertezas

Até sempre, Minha Maria

Inesquecível

Hoje

Não mata, mas mói...

Aos meus Pais

Um novo Natal, o mesmo se...

Um ano depois...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds