Este é o meu refúgio, o meu abrigo. Aqui espelho o meu eu, sob a forma dos meus pensamentos feitos palavras...
Terça-feira, 17 de Janeiro de 2006
Reflexões...

soneca.jpg


 


Foi um regresso esperado, porém temido; desejado e, ainda assim, quase escondido, até de mim.


Não consigo descrever a sensação de voltar a conduzir por entre o movimento confuso e barulhento da hora quase de ponta; tornar a batalhar por aquele lugar escondido, onde o carro cabe quase ao milímetro e esperar que ninguém o veja antes de mim; subir a antiga e alva escadaria e descobrir o amplo espaço do enorme hall interior renovado e muito mais luminoso; encontrar caras familiares, que se aproximam inesperadamente e questionam o por quê de tão longa ausência ou, curiosidade à parte, mostram contentamento por me ver ali, de novo entre elas.


Sei que hoje tudo se repetirá, quase à mesma hora, passando pelos mesmos sítios, encontrando muitas daquelas pessoas, vendo outros tantos sorrisos, mesmo pelo meio da maioria dos rostos carregados e sisudos.


Volto a parte da minha rotina, aquela de que, confesso, mais falta senti. Torno a sentir a picada do bichinho do saber e procuro questionar mais, aprender mais.


São muitas as alturas em que me interrogo sobre as minhas reais capacidades de atingir esta meta (para mim tão importante) que me impus. É nestas circunstâncias que - independentemente do facto de o timming das mesmas ser mais ou menos adequado - paro e procuro reflectir. Surgem então todas as dúvidas e incertezas; todos os medos e papões. O que fazer? Como prosseguir? Serei capaz?


Para todas estas perguntas, todas elas deveras assustadoras, tenho apenas uma resposta: Por muito que não acredite, que a minha auto-estima se degrade ou a confiança ceda, o único caminho que posso traçar, com mais ou menos obstáculos, é em frente, pois é o único plausível, credível e, para mim, aceitável. Hesitações aceitam-se; dúvidas compreendem-se; paragens definitivas não são permitidas, pois as mesmas seriam negar e contrariar a minha própria natureza irrequieta. De facto, sou incapaz de me deter muito tempo sem que tal implique algo de novo, que me preencha.


Em conversa com uma colega e amiga, tomei conhecimento da existência de um livro intitulado O Melhor Ano da Sua Vida. Pare de Sonhá-lo. Comece a Vivê-lo, ou algo muito parecido. Sempre me interroguei bastante sobre a realidade prática de livros como este e que tipo de carácter - essencialmente de auto-ajuda e fonte de crescimento pessoal - possuem no nosso quotidiano.


Não faço (nem ouso sequer ter tal intenção) juízos de valor sobre quem os escreve ou os leitores dos mesmos, mas questiono a sua utilidade. Lembro-me, inclusive, de uma vez me terem oferecido um livro do género - algo do estilo Como Tornar-se Uma Pessoa ou Melhor ou parecido - e do esforço que fiz para, perante a ofertante, não evidenciar o profundo desagrado que tal presente me causou.


Acredito que, para quem creia ou procure determinadas respostas (nem que seja apenas um melhor método de organização pessoal), estes "manuais" sejam úteis e, inclusive, forneçam meios aos seus leitores para que encarem o respectivo dia-a-dia de uma forma mais positiva e/ou gratificante. Porém, continuo a crer firmemente, ainda que, por vezes, não o pareça, que o nosso caminho, o nosso destino (se assim o entendermos), somos nós quem o traça; por mais livros, amigos, conselhos que existam, parte de nós a vontade de enfrentar, de viver e usufruir a vida e a decisão de como fazê-lo.


Quem me conhece sabe que mais facilmente encontro a dificuldade por entre mil e uma facilidades do que o oposto. Essa é, porém, a minha luta: Mudar este aspecto de mim, que considero menos bom, e encarar a vida pela positiva. Não é fácil, mas sem dúvida que torna tudo bem mais simples e confere aos obstáculos, que sempre surgem, um carácter ultrapassável e momentâneo.


Se me pedirem um exemplo, digo que o encontram neste simples texto, escrito na mesa de um simples café, esperando pelo meu amor. Estas linhas são fruto de alguma reflexão que me demorou anos (isso mesmo, anos) a realizar. A vida não é fácil e creio que todos concordamos com esta afirmação mais do que batida. No entanto, cabe-nos a nós decidir e escolher como queremos vivê-la.


Ainda que nem sempre me apeteça rir e muitas outras as lágrimas rocem os meus olhos, aprendi algo que, não sendo, de forma alguma, um caminho para a desresponsabilização ou sequer desculpabilidade, se define como: "Não pensar demais." É esse o segredo, pois, afinal, as coisas só têm, de facto, a importância que lhes atribuímos. Este é, para mim, o segredo. Demorei muito a desvendá-lo mas, agora, permitiu-me sorrir outra vez e, acreditem ou não, há quem agradeça muito por isso. Eu sou a primeira!


Boa semana para todos!


Rosália :*)



publicado por scorpiowoman às 16:25
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De aflores a 20 de Janeiro de 2006 às 19:26
A semana já lá vai... Bom fim de semana ;)


De JUCA a 20 de Janeiro de 2006 às 16:00
Sbes as vezes penso que a minha vida é uma chatice, sempre a mesma rotina, sempre as mesmas queixas, as mesmas caras.
Mas nem quero imaginar se fico sem isso.
E vou tentar seguir o teu conselho de não pensar. SO VIVER.
Obrigado.
Passa no meu cantinho lá te espero. beijinhos


De Blueyes41 a 19 de Janeiro de 2006 às 23:03
"Não pensar demais" - Acho mesmo que é esse o truque. Bom conselho que nos dás. Beijinhos e Bom regresso.:)


De aflores a 18 de Janeiro de 2006 às 20:35
Chamo a isto, um regresso em grande (e não me refiro ao tamanho do texto...). Há rotinas e rotinas, e nem queiras saber como eu adoro as minhas rotinas:) É bom, muito bom mesmo aproveitar ao máximo o que nos é oferecido. Pena que ás vezes, nós é que complicamos tudo. Não achas? ....claro, há excepções:))))) bj para a "gata" e um miau para os gatos :)))))


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

Há 43 anos

Oito anos depois

Incertezas

Até sempre, Minha Maria

Inesquecível

Hoje

Não mata, mas mói...

Aos meus Pais

Um novo Natal, o mesmo se...

Um ano depois...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds