Este é o meu refúgio, o meu abrigo. Aqui espelho o meu eu, sob a forma dos meus pensamentos feitos palavras...
Quinta-feira, 10 de Novembro de 2005
Eis o que penso... ou breve história de uma Amizade

blue.bmp


 


“Não existem erros. Os acontecimentos que atraímos a nós, por mais desagradáveis que sejam, são necessários para aprendermos o que necessitamos de aprender. Todos os passos que damos são necessários para chegarmos aonde escolhemos chegar.”


 


Richard Bach in A Ponte para a Eternidade


 


Muitas vezes interrogo-me sobre o que seria de mim e da minha vida se certas coisas e determinados acontecimentos não tivessem tido lugar na mesma. Pergunto-me que pessoa seria, o que teria acontecido a muitas conquistas e outras tantas derrotas. Certo e sabido é que, quase sempre, acabo por desistir. Afinal, que sentido faz mitigar no passado se é viver o presente e preparar o futuro que, de facto, importa?


Ainda assim, momentos há em que não consigo deixar de pensar, acima de tudo, nas pessoas que cruzaram o meu caminho até ao dia de hoje. Como será compreensível, detenho-me com algum vagar na recordação dos amigos, em especial daqueles que, por uma razão ou outra, se encontram mais próximos, em distância ou, acima de tudo, naqueles cantinhos do meu coração que se encontram guardados com direito a exclusividade. Quando as duas situações se conjugam... perfeito!


Creio não errar ao dizer que, se não te tivesse conhecido, provavelmente a minha vida não seria aquela que conheço e procuro, hoje, aproveitar ao máximo.


Não escondo nem nego, perante nada nem ninguém, como foi bom teres entrado de rompante no meu mundo, abalando-o e trazendo-lhe vida, libertando-me de tantas coisas, desamarrando as grilhetas que me mantinham atida a conceitos e normas sem sentido algum nos dias que correm. Acima de tudo, fizeste-me crescer e revelar-me a mim mesma.


Não é segredo algum que muitas vezes questiono a forma como o levaste a cabo, censurando muitas das tuas atitudes, por achá-las excessivas. Não nego a necessidade das mesmas, mas convenhamos que, como dizia o outro, “não havia nechechidade...” para tanto. Fizeste-me chorar muito, gritar, insurgir-me, revoltar-me. Alturas houve em que ai de ti que te atravessasses no meu caminho!


O Mundo dá muitas voltas e eu que o diga. Em poucos anos a minha vida sofreu transformações profundas e nestes últimos quatro nem se fala. Passei de menina a mulher, de sombra apagada e escondida a figura de proa e liderante num projecto chamado “vida”, aquela que, afinal, é minha e eu pensava ser dos e para os outros.


Pode dizer-se que acordei tarde, mas creio que foi o melhor despertar, pois tomei consciência da realidade que me e nos rodeia. Ao reflectir (e muito, não tenhamos dúvidas), constatei que o fiz também por tua causa, por todos os teus gestos e atitudes que, conjugados com os restantes de todos quanto me rodeavam (especialmente da nossa Lili), começaram a dar os seus frutos.


Sei que, sem ti, provavelmente nunca teria encontrado o verdadeiro Amor, não teria sido capaz de dominar muitos dos meus medos e, quem sabe, ultrapassar tantos outros obstáculos.


A nossa relação sempre teve muito de cão e gato, que tanto gosto de traduzir sob forma de “não posso viver contigo, mas não posso viver sem ti” (lembras-te da música dos Queen?), mas talvez seja por isso que, ainda hoje e cada vez mais, nos damos tão bem e temos uma amizade tão cheia de cumplicidade e entendimento mútuo.


Contigo aprendi (e ainda aprendo) muito. Procuro também ensinar-te algo, mas acho que é esse mesmo o segredo: o de descobrirmos que a escola da vida e da nossa amizade é a melhor de todas.


Sei que, se calhar, não terás a paciência de ler este texto até ao fim, pois, como fazes questão de afirmar, eu escrevo “bué”. Sim, é um facto. Defeito ou virtude, desconheço.


Há tanto mais que fica por dizer quando se pretende falar de alguém tão especial, com um coração tão grande como o teu (espero que consigas encontrar a chave para o mesmo um dia destes e, lentamente, vás abrindo a porta), com uma capacidade de ouvir que, quando devidamente sintonizada, é excelente, com as palavras certas na altura adequada.


Como sabes, o Paulo e eu completamos agora dois anos e seis meses de vida em comum. Sem ti nunca nos teríamos conhecido. São também do teu conhecimento todas as peripécias que nos têm atormentado nos últimos tempos, algumas de difícil superação. Porém, foste dos poucos que manteve a sua fé em nós e, de uma forma ou de outra, soubeste dirigir os nossos passos na direcção certa, para que, hoje, ainda aqui estivéssemos.


Confesso que há já algum tempo engendrava escrever algo do género, como também já o fiz para a minha vechia sorella, quase no início. Quem sabe foi a gripe (mas não das aves, felizmente!) que me inspirou...


Espero que perdoes o “roubo” do nome do teu blog (tardaste mas, enfim, juntaste-te a este nosso mundo) para o título deste post, mas que melhor forma teria de me fazer entender do que esta?


Por último, uma referência: A citação acima é algo que considero comum a ambos, às nossas vidas e, acima de tudo, à nossa amizade. Será que estamos de acordo?


Espero sabê-lo em breve.


Fica bem...


 


Rosália :*)


 



 




publicado por scorpiowoman às 23:45
link do post | comentar | favorito
|

7 comentários:
De pankas a 18 de Novembro de 2005 às 08:32
Eu não tenho muitas visitas porque a minha página é muito pessoal, fala muito sobre mim e quem não me conhece, até pode lá passar mas pouco ou nada diz por não me conhecer. Jokinhas


De Blueyes41 a 16 de Novembro de 2005 às 01:08
Bonita homenagem aqui fizeste à Amizade dirigida às pessoas que queres bem. E sabes, também penso que tu és uma Amiga que, pese embora a distância, já faz parte do meu mundo. Tanto tu como o teu amor são os Amigos, de longe, que sinto tão perto. Já li o teu comentário e fico à espera da tua especialização pois o livro vai ter a dedicatória a meus filhos e a vocês. Beijinhos


De aflores a 14 de Novembro de 2005 às 08:44
Nem sempre aprendemos da melhor maneira, sempre ouvi dizer. Mas, quando ao nosso lado (e do nosso lado) temos aquele amigo(a) especial que nos sabe ouvir, compreender, ajudar, criticar, incentivar ou simplesmente manter-se em silêncio... tudo se torna um pouco mais fácil. Não vale a pena dizer que gostei de aqui passar e ficar um pouco. Boa semana.


De angelis a 11 de Novembro de 2005 às 22:34
Sem palavras...para comentar tão belissimo texto sobre a amizade de dois seres. Votos de excelente fim de semana. Beijinhos :)


De liliana a 11 de Novembro de 2005 às 09:36
Olá piccola sorella...
adorei, adorei, adorei. Devo dizer que gosto bastante de ver os meus dois maiores amigos a procurarem refazer a vida. Desde que vos conheci aos dois que a minha vida também deu algumas reviravoltas, uma das maiores teve o apoio do menino que tu falas ao dizer para eu arriscar e ir conhecer aquele que agora é o meu querido marido e pai do nosso João Miguel, pode-se dizer que foi daqueles encontros inesquecíveis ;-). Em relação a vcs os dois fico feliz por dizer que cresceram os dois bastante, por circunstâncias da vida, umas boas outras más, mas as boas são um espectáculo (lembras-te das idas ao futebol e os concertos) Nunca deixem de ser como são e esta velha amiga estará sempre aqui....
Jinhos aos dois


De resmungona a 11 de Novembro de 2005 às 02:15
É de ir às lágrimas! Adorei! Volto a constatar com grande certeza o grandioso amadurecimento que tens levado a cabo. Quanto ao "homenageado", palavras par quê? Ambas sabemos, que tu sabes o que eu sei e penso!***


De pankas a 11 de Novembro de 2005 às 01:14
Devo dizer-te que sinto-me um pouco embaraçado com as tuas palavras, não estava à espera, mas vou resumir o meu comentário numa frase para dizer que concordo contigo 'palavras para quê?' como costumo dizer. O engraçado é que a experiência de vida que estou a passar fui eu que a provoquei, senti necessidade de arriscar, sabia que iria ter complicações, não tão complicadas, mas quem arrisca não petisca e é o que estou a fazer. Arrisquei e ganhei experiência de vida, pelo menos isso. Posso ter perdido um amor mas ganhei mais que isso. O ideal era ficar com os dois mas se não for possível prefiro ficar só com o da experiência.
Vocês apenas precisam de se compreender de uma forma mais cumplice, olha para mim e vê o que falhou na minha relação, encontrarás as respostas para a tua seguir em frente.
Espero que tenhas gostado do meu resumo? ;)


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

Há 43 anos

Oito anos depois

Incertezas

Até sempre, Minha Maria

Inesquecível

Hoje

Não mata, mas mói...

Aos meus Pais

Um novo Natal, o mesmo se...

Um ano depois...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds