Este é o meu refúgio, o meu abrigo. Aqui espelho o meu eu, sob a forma dos meus pensamentos feitos palavras...
Quarta-feira, 5 de Outubro de 2005
De volta...

Tichat20triste.jpg


Como o tempo passa... Eis-me prestes a voltar ao trabalho (agora que já me tinha habituado a estar de férias!), a apenas um mês de completar mais um aniversário (será que é desta que tenho a tão almejada festa-surpresa?) e a pensar, apesar do calor absurdo para a época, que não tarda muito e estamos no Natal. Lembro-me de ser pequenina e o tempo demorar imenso a passar. Depois, de chegar ao fim dos meus teen years e de a minha mãe me dizer: "Depois dos 20, vais ver como eles (os anos) voam!" E não é que ela tinha razão?


Hoje sinto-me absurdamente nostálgica e melancólica... Não sei se é do fim das férias, se de pensar que já estamos em Outubro mas, assim de repente, do meio do nada, bateu-me uma saudade profunda de duas das pessoas mais importantes da minha vida que já partiram e que, por vezes, tanta falta me fazem... nem que fosse para refilarmos e resmungarmos entre nós. Sinto muito a falta da minha mãe (já vai fazer seis anos que partiste e, por vezes, parece que foi ontem que te amparei pela última vez) e do meu avô (o meu resmungão engenhocas preferido) e o mais engraçado é que a mesma se manifesta nas mais pequenas e insignificantes coisas do dia-a-dia. E do nada surge a malvada saudade que me deixa alheada, triste, quase perdida de mim mesma.


Caio de volta na realidade e procuro o aconchego do meu amor, a cumplicidade dos meus amigos e o mundo ganha de novo cor, forma e equilíbrio. Sei que, independentemente da saudade, a vida continua e há que aproveitá-la da melhor forma. Perda após perda, vamos vivendo, sobrevivendo e prosseguindo. Afinal, o mais importante é que não nos percamos de nós mesmos nem do amor e carinho de quem nos quer bem.


Só tenho pena que, por vezes, haja quem não o consiga ver com esta clareza e desperdice inultimente cada minuto desta vida tão preciosa. Sei que o desperdício, esse, parará um dia... Só espero é que não tenha um custo ainda mais elevado do que já atingiu, pois nada nem ninguém merece tal sacrifício.


A vida é feita de perdas e ganhos. Como tantas outras pessoas, posso dizer que já tenho um bom quinhão de ambos, mas creio que tudo se adapta num equilíbrio precário mas justo. Perdi toda a minha família (começando pelo meu pai, passando pela minha avó e a minha mãe, acabando no meu avô), mas encontrei o meu amor (e a minha segunda família junto dele) e tenho aquilo a que se chama uma mão cheia de amigos, poucos mas bons, dignos do verdadeiro "A" que marca uma amizade indelével.


No outro dia fizeram-me a pergunta mais estranha: "Como é que tens força?" Fiquei pasma. Eu sei lá! Nem sequer soube responder. A minha mãe ensinou-me que não devemos questionar o que nos acontece, antes aprender a partir daí e prosseguir tendo em mente o que aconteceu mas não nos deixando prender por isso, para que possamos evoluir e crescer. Acho que foi isso que sempre fiz desde há 19 anos atrás, numa tarde de Agosto, em que soube que o meu pai partira para não mais voltar. É certo que não é um caminho fácil e maus bocados também me tocaram, alguns bem difíceis de ultrapassar e, quando estive quase a desistir, houve um punhado de pessoas que não me deixaram, mesmo que não o tivesse visto ou reconhecido de imediato. E estou aqui...


Entristece-me ver quem por muito menos se deixa abater ao ponto do desespero, ao ponto da desorientação, da surdez para com os outros. Entristece-me a cegueira perante o óbvio, o silêncio perante o ruído do inegável. Entristece-me ver quem por mim lutou e me ajudou a deixar-se consumir por algo efémero, fugaz e imerecido... Entristecem-me a tristeza e o desnorte e a minha própria impotência perante tudo isto.


Apetece-me dizer: "Abre os olhos. Deixa essa dor, esse sofrimento que nada mais têm a dar-te, firma os teus pés na terra, apoia-te naqueles que mais te amam, nos amigos que tens e segue em frente. Não alimentes mais essa tristeza sem nome." Mas para quê? Não quero desistir de ti, mas não me escutas e, agora, nada mais posso fazer.


Agarra a vida... Ela é tão curta, tão fugaz. Cabe-nos a nós aproveitar tudo o que dela possamos retirar e vivê-la da melhor forma possível. Eu estarei aqui... sempre.


Afinal, acabaram-se as férias... e estou de volta ao mundo real.


Boa semana a todos.


Rosália ***



publicado por scorpiowoman às 23:32
link do post | comentar | favorito
|

5 comentários:
De angelis a 8 de Outubro de 2005 às 11:22
Bem vinda :) e que esse coração imenso, cheio de amor e ternura continue a encantar-nos com a sua escrita e a partilha de textos lindissimos e profundos como este. Beijinhos e um excelente fim de semana :)


De Maria do Cu Costa a 6 de Outubro de 2005 às 23:18
Um bom regresso. Cumprimentos


De Liliana a 6 de Outubro de 2005 às 13:16
Minha piccolla sorella... aqui estou eu para comentar o teu texto. Apercebo-me que finalmente te consideras uma pessoa cheia de força, embora por vezes ainda seja preciso recordar-te isso, mas é para isso que cá estou. Quanto ao teu aniversário é sempre uma data especial (desde que não seja passada na cama com 40 graus de febre Lembras-te?). Gosto muito de ti e o teu sobrinho também.. jinhos grandes


De aflores a 6 de Outubro de 2005 às 09:04
Aqui está um texto, que confesso, gostaria de ter sido eu o autor. Desculpa o "aproveitamento", mas sinceramente digo, que faço tuas as minhas palavras. A partir de agora, e nos meus 48 anos de existência (também ela ás vezes algo conturbada e sofrida) não vou mais tentar escrever como ás vezes me sinto e questiono. Bem hajas por este momento tão agradável e sentido.
E quanto ao aniversário... :):) fosse eu teu vizinho (amigo já me sinto um pouco)e havias de ver o que te acontecia ;) (risos)


De Blueyes41 a 6 de Outubro de 2005 às 02:15
Toca a seguir em frente e cá estou para te desejar uma boa semana e bom regresso ao trabalho. Beijinhos


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

Há 43 anos

Oito anos depois

Incertezas

Até sempre, Minha Maria

Inesquecível

Hoje

Não mata, mas mói...

Aos meus Pais

Um novo Natal, o mesmo se...

Um ano depois...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds