Este é o meu refúgio, o meu abrigo. Aqui espelho o meu eu, sob a forma dos meus pensamentos feitos palavras...
Sexta-feira, 22 de Maio de 2009
As minhas leituras...

 


Nestes últimos tempos, entre as perdas consecutivas dos meus melhores e mais queridos companheiros de quatro patas, as confusões habituais no trabalho (quem as não tem, verdade?) e tantas outras “coisinhas” que, juntas, formam uma (para mim) assustadora bola de neve, que gira e gira, crescendo e rolando sem parar... até àquele momento do dia, ou melhor, do final do mesmo... da noitinha, muitas vezes madrugada dentro, em que finalmente cedo e concedo ao corpo físico o merecido descanso, não tem sido fácil “desligar”.


         A mente insiste em teimar, em não se deixar “adormecer”, continuando, veloz e furiosamente, a esquadrinhar por entre as mil e uma coisas que trago sempre comigo...


         Como lidar, então, com uma parte de nós para a qual não existe um “interruptor”, chamemos-lhe assim, que teima em permanecer alerta, noite após noite, privando-nos do descanso de que, afinal, precisamos para podermos enfrentar o dia-a-dia?


         Bem, nestes últimos tempos, acabou por funcionar a retoma de um velho hábito das minhas infância e adolescência, tantas vezes interrompido, mas ao qual, como se de uma filha pródiga me tratasse, acabo sempre por regressar: o livrinho (ou livrão) ali discretamente pousado no canto inferior direito da mesa-de-cabeceira.


         Às vezes, passam-se meses sem que lhe pegue, outras tantas leio antes no sofá, no carro, na minha hora de almoço, numa saída para um café ali no coração da vila, numa tarde de domingo em que só me apetece fugir, nem que seja por um bocadinho, deste mundo louco em que vivemos...


         Ainda assim, acabo sempre por voltar ao velho hábito de, após me enroscar devidamente e ajeitar as almofadas, pegar naquele volume que me espera e perder-me por entre suas páginas, sejam em tom de marfim, ou tão alvas e brancas que ferem a vista quando a luz é um pouco mais forte.


         Entre estas duas últimas semanas, dois livros marcaram as minhas noites, os meus dias e, até mesmo, a minha vida... São duas obras que nada têm a ver uma com a outra, cuja temática é tão díspar quanto ficção e realidade, mas cujo âmago me arrebatou, no sentido literal da palavra.


         Não sou a melhor pessoa para aqui efectuar uma resenha, ou sequer uma recensão (muito menos crítica) de ambos (até porque ainda estou a acabar o segundo), mas não quis de deixar, neste meu cantinho, de publicar, por uma vez, algo que vai além dos meus gostos que já dei a conhecer e, quem sabe, recomendar mesmo a quem por aqui passa pelo menos uma espreitadela a cada um...


         Começo por As Memórias do Livro (People of The Book, no original), da autoria de Geraldine Brooks, vencedor do Prémio Pulitzer. Mais do que o prémio, este livro cativou-me pela forma, quase displicente, entre o discreto e o esquecido, como se encontrava pousado num carrinho de arrumações, distraidamente deixado entre as estantes de uma grande cadeia de livrarias, pela qual gosto de efectuar um longo e demorado périplo, ainda que, quase sempre, o t€mpo para me demorar um pouco mais ou mesmo adquirir algum volume seja escasso, muito escasso... Ainda assim, estávamos no Natal e decidi oferecer-me uma prenda. Afinal, também mereço!


Aquele volume, com uma curiosa encadernação repleta de motivos (só mais tarde compreendidos) que pareciam não ter qualquer ligação entre si, cativou-me... Peguei-lhe, pesei-o (sim, os livros também se pesam... especialmente pelo peso das palavras e o modo como estão escritas), folheei-o e, finalmente, quando já estava quase convencida mas ainda faltava um pequeno nada, esse atingiu-me quando li a sinopse. Não hesitei mais e, no dia 25 de Dezembro de 2008, este foi o meu presente... o melhor, concluo agora.


         as_memorias_do_livro.jpgAlgum tempo mais tarde, iniciei a sua leitura e, como já suspeitava, perdi-me entre as histórias, as descrições e a riqueza dos pormenores, a leitura fluida e escorreita (quase sem erros e pouquíssimas falhas de tradução perceptíveis), a ficção sabiamente enleada na realidade de uma história que é, afinal, sobre o próprio livro, enquanto objecto e marco na História do Homem e de períodos marcantes da própria Civilização... Embora interrompida, mormente por tudo quanto se sucedeu, retomei-a há duas semanas e não mais consegui parar até à última palavra, da última frase, na última linha da última página... Conseguirei aguçar-vos o apetite?


         À minha espera, tinha já outros três desafios... dois sobre animais de estimação e um outro de temática religiosa.


         Não sei se por ainda ter muitas saudades do meu Trinca, se por o gato da capa me fazer lembrar o meu doce gato (naqueles que terão sido os seus mais jovens e áureos tempos), optei pela história de Dewey Readmore Books, o gato-bibliotecário, cuja história merece ser lida de fio a pavio, não por ser a história de um gato (que as há muitas... a começar pelas que tenho em casa), mas acima de tudo por ser a história (real) de pessoas, de vidas, de uma comunidade e de uma cidade que se recusa a vergar e perecer.


       


dewey.jpgPodem descobrir mais sobre o que aqui vos revelo em Dewey — O Gato que Comoveu o Mundo (Dewey — The Small-Town Library Cat Who Touched The World, no original), da autoria de Vicky Myron, com Bret Witter. Depois, se vos apetecer averiguar se, afinal, as coisas eram “mesmo assim”, façam uma pequena pesquisa à moda do nosso simpático dr. House (“Well, google it!) e... deliciem-se!


         Por agora, aqui deste lado, perto de concluir esta prazenteira leitura, aguardo por dias mais sorridentes e calorosos, à semelhança dos quentes tons de açafrão das páginas da Hagadá de Sarajevo ou das sestas de Dewey na caixa dos impressos para os impostos dos contribuintes de Spencer.


         Até lá, continuação de boa semana e, se for o caso, boas leituras!


 


         Rosália, 21/05/2009



 


 


 


 


 


 



publicado por scorpiowoman às 00:27
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De aflores a 25 de Maio de 2009 às 10:26
Bom...relativamente ás "bolas de neve" (prefiro as de Berlim), nunca te esqueças que elas (as bolas de neve) também derretem :o) é só uma questão de ter calma, paciência e alguma esperança (sem esquecer acrescentar alguma dose de loucura).

Quanto ás tuas leituras, ou não fosses TU uma especialista na matéria ;)fiquei com curiosidade e, não duvido que em determinada altura também vá dar "esse" presente a mim mesmo.

Tenho à minha espera para começar a leitura, o livro " A filha do capitão" de JR Santos, mas, como as férias estão à porta :) é possivel que o leve para férias. De momento estou a ler "As tascas do Porto" de Raul Simões Pinto :):):):)

Boas leituras. ;)
Beijos do Norte


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

Há 43 anos

Oito anos depois

Incertezas

Até sempre, Minha Maria

Inesquecível

Hoje

Não mata, mas mói...

Aos meus Pais

Um novo Natal, o mesmo se...

Um ano depois...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds