Este é o meu refúgio, o meu abrigo. Aqui espelho o meu eu, sob a forma dos meus pensamentos feitos palavras...
Quarta-feira, 6 de Abril de 2005
Palavras soltas ao vento...
Vai longa a ausência da escrita e confesso que a inspiração também não tem sido muita. Por estes lados reinam a confusão e o cansaço, inerentes a um excesso de trabalho um pouco fora do habitual, muito devido aos últimos acontecimentos por esse Mundo louco fora.
Entra-se de manhã no trabalho e - tirando a folga para uma consulta médica de urgência (motivada por um derrame na vista muito feio) e um jantar muito rápido com a cara-metade - sai-se na madrugada já quase manhã do dia seguinte, entrando em casa ao som dos primeiros trinados dos pássaros madrugadores... Acorda-se meras três horas e meia depois com o ruído das obras no apartamento de baixo.
Trabalho mais, durmo menos... Mas de que me queixo eu se, afinal, é esta a vida de todos nós? Em parte sei que devo até estar grata, por ter um posto de trabalho assegurado e respectiva remuneração idem, o que, nos dias que correm (e tenho plena consciência disso) é uma sorte muito grande.
Ainda assim... custa. Custa muito. Por muito que se goste da profissão, das tarefas que se desempenham, custa ver o dia passar, a noite chegar e entrar na madrugada a ver os diferentes ritmos dos carros que passam do lado de fora da janela, à medida que os tons e cor do próprio céu vão mudando. Conversa-se um pouco para desanuviar, acordar até. Brinca-se dizendo que a equipa que vem de manhã ainda nos vai encontrar e há-de trazer o nosso pequeno-almoço... mas cá bem dentro de nós, pensamos em tudo e em todos aqueles que mais amamos e nos são mais queridos, sozinhos, em casa, deitados numa cama macia, a repousar na nossa ausência que, sabemos também lhes custa, pelo silêncio demasiado ruidoso que impera na casa onde permanecem. É estranho...
Quando saio para a rua, demoro a localizar o carro. Estou tão cansada que tenho falhas de memória constantes. Ah, ali está ele, bem à minha frente. Abrem-me o portão da empresa e saio finalmente a caminho de casa, onde me esperas, dormindo tão tranquilo como um bebé. Conduzo devagar, com medo de alguma desatenção. Apesar de passarem poucos minutos das cinco horas, nunca se sabe. Hoje em dia nunca se sabe o que pode acontecer independentemente das horas que o relógio marca.
Não me lembro de estacionar o carro, nem de abrir o portão ou subir a escada. Não me recordo de nada até, finalmente, sentir o corpo descair lentamente e repousar sobre o colchão, a sensação incrível de pousar a cabeça na almofada ao fim de tantas horas.
Apago a luz.
Fecho os olhos.
Abraço o teu corpo.
De repente... o incrível: Estou sem sono!
"Nunca mais", murmuro. "Estou farta!", indigno-me.
Abraço-me a ti e tento dormir. Passo o fim-de-semana ao melhor estilo zombie. Não me lembro de quase nada, apenas de andar a dormir (quase literalmente) em pé.
"Se precisarem de mim, venho no fim-de-semana" dei hoje por mim a dizer!
Estarei louca? Tu bem deves pensar que sim! Mas é por nós que o faço e sabe-lo bem...
Resumindo e baralhando: Com tudo isto, ainda sou mais "tia" desnaturada do que alguma vez pensei ser e ainda não vi o meu lindo ao vivo e a cores! E ele bem merece... Afinal, estreou-se neste mundo com uma roupinha dada pela "je"! O que vale é que a mamã do meu João Miguel já sabe "o que a casa" desta tia "gasta"... Não é linda?
Quanto a ti meu amor, sei que nunca nada substituirá estes momentos por vezes tão longos em que não fico ao teu lado... A compensação nem sempre justifica, mas enquanto for preciso lá terá de ser!
Amo-te muito meu cavaleiro andante... mesmo com uma enorme birra de sono e um abraço apertado de quem sente que apesar de já ser madrugada quase manhã o amor regressou de novo ao nosso lar, doce lar.

Rosália


publicado por scorpiowoman às 22:43
link do post | comentar | favorito
|

5 comentários:
De angelis a 8 de Abril de 2005 às 19:21
Cuidado com o excesso de trabalho, com as poucas horas de sono e descanso, com a falta de tempo para ti e para o teu amor. A vida passa, a saúde esgota-se e depois...olhamos para trás e é tarde demais.É fim de semana :) arranja tempo para relaxar...um miminho, um jantar romântico...tempo para as pequenas/grandes coisas da vida e verás que o teu sorriso voltará a brilhar...o teu humor voltará a sorrir :))))
Beijinhos e um excelente fim de semana para ti e para o teu amor :)))))


De Blueyes41 a 8 de Abril de 2005 às 14:41
Estou tal e qual como tu. Não te admires disso acontecer. Por essa e outras razões até a inspiração tem fugido do meu cérebro e durmo muito a toque da pastilha milagrosa. Espero recuperar esta fase e tu tenta amparar-te no amor da tua vida. Beijinhos


De aflores a 8 de Abril de 2005 às 12:03
Toc, toc...posso entrar? olá...tudo bem? passei só para dar um xi muito grande. E...cá para nós que ninguém nos ouve, vê se "reduzes" um pouco. Não faças como eu que comecei a trabalhar aos 15. Durante muitos anos (30!!!!) o amor à camisola era tanto que não via mais nada à minha frente...perdi certas fazes de crescimento dos meus filhos, esqueci muitas vezes que "alguém dormia a meu lado"...só parei um dia na urgência do hospital. E tudo isto para quê? Afinal, quando fui considerado "velho" fui dispensado com uma palmadinha nas costas e uma indemnização que não paga uma décima parte dos anos que dei de mim, com toda a garra e profissionalismo. Agora, recupero do tempo perdido e digo sinceramente: O trabalho não é tudo. Um beijo grande e um xi coração apertado (para os dois).


De Ana a 7 de Abril de 2005 às 09:17
Voltaste!
Não te preocupes, o factor zombie afecta toda a gente de vez em quando. Eu, quando estou assim, n falo muito portanto digo poucos disparates, mas, emcompensação faço muitos disparates: tipo por livros no frigorifico e pratos no lixo. As noites em dormir são terriveis! ;)


De paulo povoa a 6 de Abril de 2005 às 23:43
meu amor
o amor da nossa casa nunca desapareceu, apenas estava a descansar.
eu entendo todo o teu cansaço.
sei que fazes isto por nós e admiro-te por isso, e muitas vezes eu não mostro o amor que tenho por ti da forma que deveria mostrar.
visto que algumas vezes por causa disso até pensas-te que o meu amor por ti tinha desaparecido.
eu amo-te minha dulcineia e isso sempre vou fazer.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

Há 43 anos

Oito anos depois

Incertezas

Até sempre, Minha Maria

Inesquecível

Hoje

Não mata, mas mói...

Aos meus Pais

Um novo Natal, o mesmo se...

Um ano depois...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds