Este é o meu refúgio, o meu abrigo. Aqui espelho o meu eu, sob a forma dos meus pensamentos feitos palavras...
Sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2005
Quando o amor dói

Alturas há em que, apesar do céu azul e brilhante e do sol quente e acolhedor que brilham lá fora, o coração sangra e chora, por entre um mar de mágoa e dor. Entre as lágrimas de tristeza e nostalgia, o enorme sentimento de impotência perante toda uma situação que se afigura incompreensível e inaudita aos olhos de que se vê como um mero espectador, apesar de se encontrar envolvido na mesma. As questões surgem. então, tão rápidas e velozes quanto vazias no silêncio incógnito das respostas desconhecidas. A cabeça começa a girar, aflita, sem rumo, por entre um turbilhão de recordações, memórias e lembranças. "Pára!" grita, por entre a revolta de não compreender o porquê, de não conhecer as razões, de toda uma incerteza avassaladora.


Quer compreender, entender, perceber. Questiona, interroga e espera desesperadamente por uma resposta que não chega nunca ou que, ao surgir, é já tardia perantes todos os danos entretanto causados pela solidão em que se sente deixado ao abandono de si mesmo.


O amor dói, então, como nunca o havia magoado antes. Dói pela incógnita, pela ausência, pelo silêncio que se prolonga indefinidamente, no espaço e no tempo, tornando-se quase irreal. Magoa pela indiferença, pela frieza, pela aspereza de palavras ríspidas e ausentes de qualquer carinho, que o derrubam e o deixam caído no vazio do inesperado.


Deseja saber então que caminho seguir, que atitutes tomar e, sob o peso esmagador dessa dor sem nome que o persegue e atormenta, encontrar algo que lhe traga luz e esperança, que o faça acreditar que, independentemente do percurso a trilhar, tudo se irá resolver, clarificar.


Quando o amor dói, sente-se perdido, abandonado e vazio, como um barco à deriva num mar de dúvidas e abandono, sem rumo traçado ou espelhado e o guie nesta viagem que é a vida.


Ainda assim, por muito que chova dentro de si, cada gota uma lágrima derramada pelo coração que chora de dor, sabe que não saberia viver sem amor.


Por muito que doa, ainda é ele que lhe dá alento e o faz viver.


 


QUANDO DESABEI


Quanto tempo tem que não me vês
Que um dia eu senti a falta de um olhar,
Senti que te perdia lentamente,
Senti que nunca mais te vou ter.


Naquele dia soube que te perdi,
Por isso te comuniquei,
Senti-me desfalecer,
Olhei no espelho e chorei.


Como eram bons os tempos de outrora
Mas, agora, nada mais há do que lágrimas,
Choro há muito tempo,
Mas não tenho força,
Falta-me a fonte de força,
Faltas-me tu.


Pedro Antunes - 15/02/05


 



publicado por scorpiowoman às 21:25
link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De amadorjp a 23 de Fevereiro de 2005 às 12:37
Genial! Tudo o que escreves-te tem reflexo em mim. naquilo que sinto e naquilo que penso, mas a maior verdade de todas é que por muito que soframos por amor, queremos sempre amar e amar mais. Tenho para mim que na vida só temos dois objectivos como pessoas: morrer o mais tarde possível e sermos felizes enquanto isso não acontece, por isso mesmo amamos e vivemos o amor tão intensamente. É verdade que nos magoamos muito, mas há sempre um amor que nos vale por isso tudo! Lutem por aquilo que sentem e persigam o amor sempre! Vale a pena ser feliz! Beijocas


De aflores a 20 de Fevereiro de 2005 às 08:37
O amor dói? Sim...ás vezes e muito.


De Pedro Antunes a 18 de Fevereiro de 2005 às 22:08
Reparei que conseguiste descrever tudo o que se passa comigo tendo como apoio o poema que fiz. Gostei do teu texto. Continua, tens futuro.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

Há 43 anos

Oito anos depois

Incertezas

Até sempre, Minha Maria

Inesquecível

Hoje

Não mata, mas mói...

Aos meus Pais

Um novo Natal, o mesmo se...

Um ano depois...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds