Este é o meu refúgio, o meu abrigo. Aqui espelho o meu eu, sob a forma dos meus pensamentos feitos palavras...

Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2012
Não mata, mas mói...

Já diziam tanto a minha avó materna (que me criou até à ida para a escola... naqueles tempos – felizes – até aos cinco anos, mais coisa, menos coisa) como a minha mãe.

 

Não, realmente não nos mata. Mas mói.

 

Não me mata ver os preços a aumentar e o ordenado há dez anos (sim, 10) sem crescer (apenas a decrescer, com taxas e sobretaxas e “aldrabices” do patrão que me tiraram quase dez contos – sim, contos, na moeda antiga, para que se tenha bem a noção – por mês e quase vinte contos em cada subsídio (sendo que isto foi feito no mês em que iria receber o subsídio de férias... sem aviso, nem pré-aviso e ainda com a “sorte” de, face ao período escolhido, o ter recebido (depois de reclamar durante quase uma semana, porque se tinham “enganado” e “esquecido” que era mês de pagamento... pois a partir de Agosto, toda a gente “ficou a ver navios” e o dito foi pago em prestações... até Dezembro. Mas mói.

 

Não me mata não me pagarem o vencimento de Dezembro porque, coitados, com a crise, não têm dinheiro e vão ter de pagar à semana (aos mais ricos) ou à quinzena (aos que recebem menos, o meu caso). Muito menos me mata que, faltando à palavra dada, não tenham cumprido e, hoje, dia em que deveria ter a minha “quinzenada” na conta, a mesma se encontre como tem estado... rasa, rasinha, quase tão lisa como uma tábua. Mas mói, se mói.

 

Não me mata ter de, mês após mês, ponderar cada vez mais as despesas e pensar se posso dar este ou aquele passo, com medo de depois me arrepender e o dinheiro fazer falta. Perder o sono a pensar como vou equilibrar o orçamento familiar para chegar um bocadinho a cada lado, pagar as contas, comer, conseguir ir trabalhar. Não, não me mata, mas mói.

 

Não me mata, nesta última semana, ver colegas com quem trabalho, funcionários “sem nódoa” que se lhes aponte, aqueles que realmente trabalham, produzem, são assíduos e pontuais, serem despedidos sem mais nem quê, alguns com quase tantos anos de casa quantos tem a própria empresa, sem dó nem piedade. Sem razão. Não, não me mata mesmo nada. Mas mói-me mais do que consigo, sequer, descrever.

 

Não me mata a crise. Matam-me todas as desculpas, ingerências, artimanhas e a desfaçatez que se acolhem sob a mesma, mascaradas, passando quase incólumes à vista de todos quantos teimam em usa-la como desculpa para um sem-fim.

 

Perdão, não, não me matam. Moem-me até à morte.

 

20/01/2012

 

Adenda: Não matou, de facto. Recebi a primeira metade do ordenado de Janeiro no dia 3 de Fevereiro... e hoje, dia 27 de Fevereiro, continuo à espera da imensa “fortuna” que são os restantes 333 euros que ainda não me pagaram. Ninguém recebeu. Ninguém sabe quando receberá e quem manda não sabe nem se, nem quando pagará. Nem sequer fazem ideia de quando cumprirão com o pagamento do ordenado de Fevereiro, já que nem o de Janeiro conseguem completar. Não me matou. Todos os dias pago para vir trabalhar, em vez de trabalhar para ser paga.

 

Não me mata. Mas mói cada vez mais.

 

Rosália, 27/02/2012


sinto-me:

publicado por scorpiowoman às 17:28
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

Não mata, mas mói...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds